BREXIT Montar uma Fábrica de Banana Chips em Portugal

Projeto Pronto de Fábrica de Banana Chips com Capacidade de Produção de 3000 kg por dia

CÓDIGO DO PROJETO: BRE-007

Projeto com as seguintes seções:

Recepção
Câmara de Sulfuração
Limpeza e Descascamento
Sala de Cortes
Fritura
Embalagem
Depósito de Produtos Acabados
Expedição
Escritório
Vestiários
Refeitório

Contém no projeto pronto:

  • Projeto Pronto em arquivo para AutoCad (DWG) (pranchas em formato A0 ou A1), com:
    – Planta e Layout
    – Planta Baixa da Construção
    – Layout dos Equipamentos
    – Cortes
    – Fachada
    – Planta de Situação das Construções no terreno
    – Planta dos Escritórios, Vestiários, Refeitórios e outros Anexos do Empreendimento
  • Memorial Básico da Construção
  • Lista de Equipamentos Principais
  • Lista de Fornecedores dos Equipamentos Principais
  • Lista de Materiais da Construção e Orçamento da Obra
  • Cronograma Físico-Financeiro da Obra
  • Fluxograma de Produção

Serviços Opcionais:

  • Estudo de Viabilidade Financeira
  • Projeto de Financiamento e Plano de Negócios FINOVA
  • Projeto em 3D
  • Adequação de Fábricas ao Novo RIISPOA

Para saber mais, ligue para +55.35.3721.1488 ou +55.35.9.9155.0757, ou preencha o formulário abaixo:

 


ESTRUTURA DA FÁBRICA

 

No mercado alimentício, além das opções in natura, também há chances de produção de alimentos industrializados para comercialização:

Banana-passa – Feita com banana-prata, consiste em desidratar a fruta até chegar em 20% ou 25% de hidratação. Geralmente, não há necessidade de utilização de conservantes ou aditivos. As bananas podem ser inteiras, em pedaços ou cortadas em rodelas.
Bananas chips – Mais comuns na região Norte, são chips doces ou salgados, dependendo do que é adicionado às bananas depois de fritá-las.
Farinha de banana – Fabricada a partir da banana-verde, pode ser utilizada como substituta da farinha de trigo na fabricação de pães, bolos e biscoitos.
Doces e geleia de banana – São feitos geralmente das bananas que seriam descartadas pelo produtor, por elas terem se soltado da penca. As espécies mais utilizadas para essa finalidade são a prata (para os doces) e a nanica (para as geleias).
Polpa de banana – Utilizada em inúmeras aplicações no setor alimentício, como comida para bebês, sobremesas congeladas, balas e produtos para panificação. É o mais importante subproduto da banana, correspondendo a 55% do total de produtos industrializados da fruta.
Aguardente e licor de banana – Bebidas alcoólicas feitas a partir da fermentação da fruta.
Ovos de Páscoa – Na época da Páscoa, podem ser vendidos ovos recheados com banana-passa.
Além do consumo alimentício, a banana (fruta e planta) pode ser utilizada também em artesanato, produção de papel, móveis e objetos de decoração, além de servir como substituta na produção de polímeros naturais, substituto dos polímeros derivados do petróleo.

 


A sua Empresa na hora – Documentos necessários para abrir uma empresa em Portugal

Através da iniciativa ‘Empresa na Hora’ poderá constituir uma sociedade unipessoal, por quotas ou anónima no momento e num só posto de atendimento. O processo de constituição de sociedades através desta iniciativa é extremamente simples e pode ser representado da seguinte forma:

Processo de constituição de uma sociedade:
1. Escolher uma firma da lista de firmas pré-aprovadas constante deste sítio ou consultando a lista que lhe será facultada no posto de atendimento ‘Empresa na hora’. A firma escolhida só será reservada no momento em que se dirigir ao balcão e iniciar a constituição da sociedade. Como tal, a firma que pretende utilizar, apesar de estar disponível neste sítio ou na lista que lhe for facultada, poderá já não estar disponível no momento em que se dirigir ao balcão. À firma pré-aprovada poderá sempre adicionar uma expressão alusiva ao objeto da sociedade. Por exemplo, se a firma escolhida for ‘ABCDE’ e se a sociedade se dedicar à atividade de restauração e bebidas, a firma poderá ser alterada para ‘ABCDE – Restauração e Bebidas’.
Em alternativa à escolha da firma da lista de firmas pré-aprovadas pode constituir a sua empresa na hora com um nome previamente aprovado pelo RNPC.

2. Escolher um dos modelos de pactos pré-aprovados e disponíveis neste sítio e na pasta de pactos facultada nos locais de atendimento;

3. Os futuros sócios da sociedade deverão dirigir-se a um balcão ‘Empresa na hora’ para iniciar o processo de constituição. A lista de balcões disponíveis pode ser consultada na área de Contactos deste sítio.

Elementos necessários
Se os sócios da sociedade a constituir forem pessoas singulares, deverão levar consigo:

Cartão de contribuinte;
Documento de identificação (cartão de cidadão, bilhete de identidade, passaporte ou autorização de residência).
Cartão de beneficiário da Segurança Social (facultativo)
No caso de se tratarem de pessoas coletivas:

Cartão da empresa ou de pessoa coletiva ou código de acesso aos referidos cartões;
Ata da Assembleia Geral que confere poderes para a constituição de sociedade.
4. O custo deste serviço é de 360,00¤. Este valor será pago no momento da constituição, em numerário, multibanco ou cheque visado ou bancário e vale postal, em qualquer dos casos emitidos à ordem do Instituto dos Registos e do Notariado, I.P.. Não são aceites cheques estrangeiros.

5. No balcão será elaborado o pacto da sociedade e será efetuado o registo comercial.

6. De imediato, receberá:

o Pacto Social;
o código de acesso à Certidão Permanente de Registo Comercial, pelo prazo de três meses;
o código de acesso ao cartão eletrónico da empresa;
o número de segurança social da empresa.

Posteriormente, receberá o cartão da empresa, em suporte físico.7. No momento da constituição da sociedade pode indicar desde logo o Técnico Oficial de Contas ou escolher um da Bolsa de TOCs disponibilizada, para efeitos da entrega desmaterializada da Declaração de Início de Atividade.
Também pode entregar num serviço de Finanças a Declaração de Início de Atividade devidamente preenchida e assinada pelo Técnico Oficial de Contas nos 15 dias seguintes à data de constituição.

8. No prazo máximo de 5 dias úteis após a constituição, os sócios estão obrigados a depositar o valor do capital social (quando realizado em numerário) numa conta aberta em nome da sociedade ou proceder à sua entrega nos cofres da sociedade até ao final do primeiro exercício económico.