EngeTecno.com.br

PÁGINA INICIAL

Português Español English
Fone: 
Brasil:
(35) 3721-1488
(35) 9155-0757-TIM

(31) 8738-7280-OI
Outros Países:
+55 (35) 3721-1488

Rua Tabatinga, 134,
Jardim dos Estados
Poços de Caldas, MG
CEP 37701-082

BRASIL

 

FALE CONOSCO

PROJETOS PRONTOS

Frigoríficos
Laticínios

Produtos Origem Vegetal

Vinho, Cerveja 

Cachaça e Aguardente

Água Mineral, Gelo

Refrigerantes

Pães e Massas

Fábricas de Doces
Sorvetes e Picolés

Apiários
Processamento de Ovos

Distribuidoras de Alimentos

Cosméticos, Sabonetes
Shampoos e Cremes
Produtos de Limpeza
Laboratórios
Unidades de Saúde

Centros de Saúde
Hospitais-Dia
APAE e CPN

Drogarias e Farmácias

Indústrias Farmacêuticas

Lavanderias
Distribuidoras Medicamentos

Produtos Veterinários

Hotelaria, Restaurantes
Centros de Entretenimento

Lojas e Comércios

Indústrias em Geral
    Confeções
    Plástico

    Metal
    Vidro
    Madeira
    Concreto e Cimento
    Papel
    Cerâmica
    Eletro-Eletrônicos
    Marmoraria e Granitaria
    Diversos

Obras Públicas

Prestação de Serviços
Construções Rurais  

Fábricas de Ração e Adubo
Curtumes
Tratamento de Efluentes

 

OUTROS SERVIÇOS

Projetos para SISBI POA
Projetos de Financiamento

Estudos de Viabilidade 
Financeira
Plano de Negócios

Quantitativos e Orçamentos 
de Obras

Projetos em 3D

Projetos de Acessibilidade

Projetos de Prevenção a 
Incêndio

Modelo de MBPF e POP

Aprovação de Rótulos

Tabela de Informação
Nutricional

Formas de Pagamento
Projetos Prontos
de Empreendimentos

Área de Atuação

Principais Clientes

Como Fabricar
SIF - Como Aprovar
Como Abrir uma Empresa
Quero Montar um Fábrica

Legislação

Oportunidades de
Negócios
Fábricas à Venda


PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

 

 

Engetecno Online

Legislação

 

ROTEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DA ERVILHA
(PMA 065/93)

  1. Homogeneizar a amostra.
  2. Determinar a umidade do produto.
  3. Aferir a balança.
  4. Pesar 250 g do produto.
  5. Determinar o grupo, levando em conta a forma de apresentação.
  6. Utilizar a peneira de crivos circulares de 3,0 mm para determinação de matérias estranhas e impurezas.
  7. Efetuar o repasse manual da amostra, retirando matérias estranhas e impurezas que ficaram retidas na peneira, agregando ao que vazou.
  8. Proceder a separação dos defeitos: ardido, mofado, carunchado, manchado, descolorido, brotado, chocho, danificado, quebrado e partido(exclusivo do Grupo I).
  9. Pesar e lançar no laudo os valores obtidos.
  10. Fazer a conversão para percentual, multiplicando o peso por 0,4. Ex: 2,5 g x 0,4 = 1,0 %.
  11. Efetuar o enquadramento utilizando a tabela constante da Portaria 065/93.
  12. Fazer constar no campo ¨Observações¨ do laudo e do certificado, quando for o caso: 12.1 - Motivos que determinaram a classificação do produto como Abaixo do Padrão; 12.2 - Motivos que determinaram a desclassificação do produto.
  13. produto com presença de insetos vivos deverá ser desclassificado e impedida a sua comercialização até que se proceda o expurgo.
  14. A validade do certificado de classificação é de 90 dias, contados a partir da data de sua emissão.
 

PESO(g)

%

TIPO

Mat. Estranhas e Imp........... .......... x 0,4 ............. ...............
Ardidos e Mofados............... .......... x 0,4 ............. ...............
Carunchados........................ .......... x 0,4 ............. ...............
Manchados e Descoloridos.. .......... x 0,4 ............. ...............
Brotados.............................. .......... x 0,4 .............  
Chochos............................... .......... x 0,4 .............  
Danificados.......................... .......... x 0,4 .............  
Quebrados........................... .......... x 0,4 .............  
Partidos............................... .......... x 0,4 .............  
Total de Avariados.............. .......... x 0,4 ............. ...............

Observação: O Total de avariados é composto pelo somatório de ardidos, mofados, carunchados, manchados, descoloridos, brotados, chochos, danificados, quebradose partidos.

PORTARIA  Nº 065, DE 16 DE FEVEREIRO DE 1993

O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, II da Constituição da República, tendo em vista o disposto na Lei nº 6.305, de 15 de dezembro de 1975, e no Decreto nº 82.110, de 14 de agosto de 1978, e

Considerando a inexistência de padrões de qualidade para o Alpiste, a Ervilha, a Lentilha, o Girassol e a Mamona, estabelecidos pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento;

Considerando a necessidade de instrumento oficial que discipline a classificação e a comercialização dos referidos produtos no mercado interno,

RESOLVE:

Art. 1º - Aprovar as anexas Normas de Identidade, Qualidade, Embalagem, Marcação e Apresentação do Alpiste, da Ervilha, da Lentilha, do Girassol e da Mamona, devidamente assinadas pelo Secretário de Defesa Agropecuária e pelo Diretor do Departamento Nacional de Produção e Defesa Vegetal.

Art. 2º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

LÁZARO FERREIRA BARBOSA

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA ERVILHA

1 OBJETIVO

A presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem, marcação e apresentação da Ervilha Seca que se destina à comercialização.

2 DEFINIÇÃO DO PRODUTO

Entende-se por ervilha os grãos provenientes da espécie Pisun Sativun, L.

3 CONCEITOS

Para efeito desta norma e termos usados nas presentes especificações, considera-se:

3.1 Grãos Avariados: Os grãos inteiros, partidos ou pedaços de grão que se apresentam ardidos, brotados, carunchados, chochos, manchados ou descoloridos, mofados, danificados e os quebrados.

3.1.1 Ardido: Grão que apresenta alteração em sua coloração normal e em sua estrutura interna, devido a ação do calor e umidade ou fermentação.

3.1.2 Brotado: Grão que se apresenta visivelmente germinado, caracterizando inclusive o rompimento da película.

3.1.3 Carunchado: Grão que apresenta perfuração causada por carunchos ou outros insetos, em qualquer de suas fases evolutivas.

3.1.4 Chocho: Grão que se apresenta mal formado e com densidade menor que a do grão normal.

3.1.5 Manchado ou Descolorido: Grão que apresenta manchas visíveis em mais de ¼ da película ou descolorido (esbranquiçado) em relação a cor característica da variedade predominante na amostra, mas sem que se observe alterações na polpa.

3.1.6 Mofado:Grão que se apresenta com fungos (mofos ou bolores), mostrando à olho nu, aspecto aveludado ou algodoento.

3.1.7 Danificado:Grão que se apresenta amassado, trincado ou rachado, decorrente de danos físicos ou mecânicos, perfurado por insetos ou roedores, incluindo também os grãos inteiros com película partida.

3.1.8 Quebrado:Pedaço de grão sadio, que ficar retido na peneira de crivos circulares de 3,00 mm de diâmetro.

3.2 Partido:Grão que se apresenta dividido em seus cotilédones (bandas).

3.3 Impureza: Detrito do próprio produto tais como, fragmentos de talos ou vagens, casca, entre outros, bem como os pedaços de grão que vazarem na peneira de crivos circulares de 3mm de diâmetro.

3.3.1 A vagem não debulhada que porventura for encontrada na amostra, será considerada com impureza.

3.4 Matéria Estranha: Detrito de qualquer natureza estranho ao produto, tais como torrões, pedras e sementes de outras espécies, que vazar na peneira de crivos circulares de 3 mm de diâmetro ou que nela ficar retido.

4 CLASSIFICAÇÃO

A ervilha será classificada em grupos e tipos segundo a forma de apresentação e a qualidade respectivamente.

4.1 GRUPOS:A ervilha, segundo sua forma de apresentação, será classificada em 2 (dois) grupos:

4.1.1 Grupo I: É o produto que contiver, no mínimo, 98% de ervilhas inteiras, secas, maduras e de tamanho e coloração próprios.

4.1.2 Grupo II: É o produto que contiver, no mínimo, 98% de ervilhas partidas (cotilédones ou bandas).

4.2 TIPOS: A ervilha, segundo a sua qualidade, será classificada em 5 (cinco) tipos, definidos de acordo com os limites máximos de tolerância estabelecidos no Anexo I, da presente norma.

4.3 UMIDADE, MATÉRIA ESTRANHA E IMPUREZA:

4.3.1 O limite máximo de tolerância para o teor de umidade e os percentuais de matéria estranha e impureza, admitidos para cada um dos tipos, estão estabelecidos no Anexo I da presente norma.

4.4 Abaixo do Padrão:A ervilha que não atender às exigências contidas no Anexo I da presente norma, será classificada como Abaixo do Padrão.

4.4.1 O produto classificado como Abaixo do Padrão poderá ser:

4.4.1.1 Comercializado como tal, desde que perfeitamente identificado e cuja marcação esteja colocada em lugar de destaque, de fácil visualização e de forma clara, correta, precisa e ostensiva;

4.4.1.2 Rebeneficiado, desdobrado ou recomposto, para efeito de enquadramento em tipo;

4.4.1.3 Reembalado e remarcado para atendimento às exigências desta norma.

4.5 DESCLASSIFICAÇÃO:

4.5.1 Será desclassificada e proibida sua comercialização, para alimentação humana ou animal, toda ervilha que apresentar, isolada ou cumulativamente, as seguintes condições:

4.5.1.1 Mau estado de conservação;

4.5.1.2 Aspecto generalizado de mofo ou fermentação;

4.5.1.3 Odor estranho de qualquer natureza, impróprio ao produto;

4.5.1.4 Teor de nicotoxinas acima do limite estabelecido pela legislação específica em vigor.

4.5.1.5 Resíduos de produtos fitossanitários ou contaminantes acima dos limites estabelecidos pela legislação específica em vigor.

4.5.2 Será desclassificada e impedida a sua comercialização, até o seu rebeneficiamento ou expurgo para enquadramento em tipo, toda a ervilha que apresentar:

4.5.2.1 Presença de bagas de mamona ou outras sementes tóxicas;

4.5.2.2 Presença de insetos vivos.

4.5.3 Será de competência do Ministério da Agricultura e do Abastecimento, a decisão quanto ao destino do produto desclassificado.

5 EMBALAGEM

5.1 As embalagens utilizadas no acondicionamento da ervilha poderão ser de matérias naturais, sintéticos ou qualquer outro material apropriado que tenha sido previamente aprovado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento.

5.2 É obrigatório que as embalagens apresentem as seguintes características:

5.2.1 Limpeza;

5.2.2 Resistência;

5.2.3 Bom estado de conservação e higiene;

5.2.4 Garantam as qualidades comerciais do produto;

5.2.5 Atendam as especificações oficiais de confecção, dimensões e capacidade de acondicionamento.

5.3 O material plástico utilizado na confecção das embalagens para a ervilha, será obrigatoriamente incolor e transparente, a ponto de permitir a perfeita visualização da qualidade do produto, quando comercializado no varejo.

5.4 A ervilha quando comercializada no atacado, deverá ser acondicionada em sacos com capacidade para conter adequadamente 50 kg (cinqüenta quilogramas) em peso líquido do produto.

5.5 As especificações, quanto à confecção, as dimensões e a capacidade de acondicionamento, permanecem de acordo com a legislação vigente do INMETRO/MJ.

5.6 Dentro de um mesmo lote será obrigatório que todas as embalagens sejam do mesmo material e tenham idênticas capacidades de acondicionamento.

6 MARCAÇÃO

6.1 As especificações qualitativas do produto, necessárias à marcação da embalagem (varejo) ou identificação do lote (atacado), serão retiradas do Certificado de Classificação.

6.2 A nível de atacado, a identificação do lote deverá trazer, no mínimo, as seguintes indicações:

6.2.1 Número do lote;

6.2.2 Grupo;

6.2.3 Tipo;

6.2.4 Safra de produção (declaração do interessado);

6.2.5 Identificação do responsável pelo produto (nome ou razão social, endereço e número de registro do estabelecimento no Ministério da Agricultura e do Abastecimento).

6.3 A nível de varejo, toda embalagem deve trazer as especificações qualitativas e quantitativas, marcadas, rotuladas ou etiquetadas na vista principal, em lugar de destaque, de fácil visualização e difícil remoção, em caracteres legíveis, claros, corretos, precisos e ostensivos, contendo no mínimo, as seguintes indicações:

6.3.1 Produto;

6.3.2 Grupo;

6.3.3 Tipo;

6.3.4 Peso líquido;6.3.5 Identificação do responsável pelo produto (nome ou razão social, endereço e número do registro do estabelecimento no Ministério da Agricultura e do Abastecimento).

6.4 No caso específico da comercialização à granel ou em conchas, o produto exposto deve ser identificado e a identificação colocada em lugar de destaque e de fácil visualização, contendo no mínimo as seguintes indicações:

6.4.1 Produto;

6.4.2 Tipo;

6.4.3 Preço de venda;

6.4.4 Origem, nome e endereço do produtor.

6.5 Não será permitido na marcação das embalagens ou na identificação do produto posto à venda, o emprego de dizeres ou qualquer modalidade de informação, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, característica, qualidade, quantidade, propriedade, origem, preço e quaisquer outros dados do produto.

6.6 As expressões grupo e tipo, utilizadas na marcação, serão grafadas por extenso.

6.7 A especificação qualitativa referente ao grupo deve ser grafada em algarismos romanos e quanto ao tipo, em algarismos arábicos, ou com a expressão "Abaixo do Padrão" por extenso, quando for o caso.

6.8 A marcação obrigatória da quantidade do produto e do número de registro do estabelecimento será precedida das expressões "Peso Líquido" ou "Peso Líq." e "Registro M.A. nr" ou "Reg.M.A. nr.", respectivamente.

6.9 Todas as especificações qualitativas do produto necessárias à marcação da embalagem, deverão ser apostas sobre uma tarja em cor contrastante a do produto ou "fundo" das embalagens, quando for o caso, e grafadas em caracteres de mesmas dimensões, conforme o quadro abaixo:

Área de Vista Principal (cm²)
Altura x Largura

Altura Mínima das Letras e Números
(mm)

até 40

1,50

maior que 40 até 170

3,00

maior que 170 até 650

4,50

maior que 650 até 2.600

6,00

maior que 2.600

12,50

6.9.1 A proporção entre a altura e largura das letras e números não pode exceder a 3 por 1 (três por um).

Por furacão ou calagem, sendo os sacos tomados inteiramente ao acaso, mas sempre representando a expressão média do lote, numa quantidade mínimo de 30g (trinta gramas) de cada saco, obedecendo a seguinte intensidade:

7 AMOSTRAGEM

7.1 A retirada ou extração de amostra em lotes de ervilha, será efetuada do seguinte modo:

7.1.1 Ervilha Ensacada

Nº DE SACOS DO LOTE Nº MÍNIMO DE SACOSÀ MOSTRA
até 10 todos
11 a 50 10
51 a 100 20
acima de 100 20 + 2% do total de sacos

7.1.2 Ervilha a Granel

A amostra será extraída nas seguintes proporções:

7.1.2.1 Quantidades até 100t, retira-se 20 kg de amostra;

7.1.2.2 Quantidades superiores a 100t, retira-se 15 kg para cada série ou fração.

7.3 Ervilha Empacotada

Retirar no mínimo 1,00% (um por cento) do número total de pacotes que compõem o lote.

7.4 As amostras assim extraídas, serão homogeneizadas, reduzidas e acondicionadas em, no mínimo, 3 (três) vias, com peso de 1 kg (um quilograma) cada, devidamente identificadas, lacradas e autenticadas.

7.4.1 Será entregue 1 (uma) amostra para o interessado, 2 (duas) ficarão com o Órgão de Classificação e o restante da amostra será obrigatoriamente recolocada no lote ou devolvido ao proprietário.

7.5 Para efeito de classificação da ervilha, será utilizada uma das amostras novamente homogeneizada, da qual deverá ser retirada 250g (duzentos e cinqüenta gramas) do produto.

8 CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO

8.1 O Certificado de Classificação será emitido pelo Órgão Oficial de Classificação, devidamente credenciado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento, em modelo oficial e de acordo com a legislação em vigor.

8.2 Sua validade será de 90 (noventa) dias, contados a partir da data de sua emissão.

8.3 No Certificado de Classificação deverão constar, além das informações padronizadas, as seguintes observações:

8.3.1 Motivos que determinaram a classificação do produto como Abaixo do Padrão.

8.3.2 Motivos que determinaram a desclassificação do produto.

9 ARMAZENAGEM E MEIOS DE TRANSPORTE

Os estabelecimentos destinados a armazenagem da ervilha e os meios para o seu transporte, devem oferecer plena segurança e condições técnicas imprescindíveis à sua perfeita conservação, respeitada a legislação específica vigente.

10 FRAUDE

Será considerada fraude toda alteração dolosa, de qualquer ordem ou natureza, praticada na classificação, no acondicionamento, no transporte, na embalagem, na marcação e na armazenagem, bem como nos documentos de qualidade do produto, conforme norma em vigor.

11 DISPOSIÇÕES GERAIS

11.1 Será de competência exclusiva do órgão técnico específico do Ministério da Agricultura e do Abastecimento, resolver os casos omissos porventura surgidos na utilização da presente norma.

LIMITES MÁXIMOS DE TOLERÂNCIA - % EM PESO

AVARIADOS

Tipo Umidade

Matérias Estranhas eImpurezas

Ardidos
Mofados

Carunchados

Manchados
Descoloridos

Total de Avariados

1

15

0,5

0,5

-

1,0

4

2

15

1,0

1,0

0,5

2,0

8

3

15

1,5

1,5

1,0

4,0

12

4

15

2,0

2,0

1,5

6,0

16

5

15

2,5

2,5

2,0

8,0

20